TSE divulga divisão do Fundo de Financiamento de Campanha, mas grandes partidos ainda reclamam

Justiça permite venda direta de etanol de usinas a postos de combustíveis em três estados
Diabetes nas recifenses cresceu 54,3% em 11 anos

TSE divulga divisão do Fundo de Financiamento de Campanha, mas grandes partidos ainda reclamam

O Tribunal Superior Eleitoral divulgou a divisão do Fundo Especial de Financiamento de Campanha para as eleições deste ano. No total, R$ 1.716.209.431,00 serão divididos entre 35 partidos, mas os dez maiores (PT, MDB, PSDB, DEM, PP, PSB, PDT, PTB, PR e PPS) ficam com 73,5% dos recursos.

O TSE divulgou a divisão exata até dos centavos e também o teto que se pode gastar nas campanhas. Confira tabela abaixo:

MDB – R$ 234.232.915,58
PT – R$ 212.244.045,51
PSDB – R$ 185.868.511,77
PP – R$ 131.026.927,86
PSB – R$ 118.783.048,51
PR – R$ 113.165.144,99
PSD – R$ 112.013.278,78
DEM – R$ 89.108.890,77
PRB – R$ 66.983.248,93
PTB – R$ 62.260.585,97
PDT – R$ 61.475.696,42
SD – R$ 40.127.359,42
Podemos – R$ 36.112.917,34
PSC – R$ 35.913.889,78
PCdoB – R$ 30.544.605,53
PPS – R$ 29.203.202,71
PV – R$ 24.640.976,04
PSOL – R$ 21.430.444,90
Pros – R$ 21.259.914,64
PHS – R$ 18.064.589,71
Avante – R$ 12.438.144,67
Rede – R$ 10.662.556,58
Patriota – R$ 9.936.929,10
PSL – R$ 9.203.060,51
PTC – R$ 6.334.282,12
PRP – R$ 5.471.690,91
DC* – R$ 4.140.243,38
PMN – R$ 3.883.339,54
PRTB – R$ 3.794.842,38
PSTU – R$ 980.691,10
PCB – R$ 980.691,10
PCO – R$ 980.691,10
PPL – R$ 980.691,10
Novo – R$ 980.691,10
PMB – R$ 980.691,10

A divisão dos recursos inclui ainda um teto para contratação de pessoal nas campanhas. Está tudo esquematizado, mas como o dinheiro é menor que em eleições anteriores há muitas brechas a serem burladas.

Quando se regulamenta muito uma coisa, abre-se brechas para caixa dois.

E os partidos reclamam. Dizem que aqueles que têm campanhas para mais cargos serão prejudicados porque deverão dividir os recursos entre muitas bocas.

As doações de pessoas físicas, pela internet, não devem preencher o que se gastava antes nas campanhas milionárias até a proibição de doações empresariais.