Só um milagre salva o Náutico do rebaixamento

Petrobras eleva preço da gasolina em 1,7% e reduz o do diesel em 0,3%
Adolescente é suspeito de matar a mãe estrangulada

Só um milagre salva o Náutico do rebaixamento

Abalado pela derrota em casa para o ABC, o Náutico visitou o Juventude, em Caxias do Sul-RS, nesta terça-feira (24), para não deixar irem embora as esperanças de escapar da degola. Mais complicado do que nunca, o Timbu precisava recuperar os pontos, porém sabia que não seria fácil derrotar o time gaúcho em pleno Alfredo Jaconi. E o que se viu foi um jogo ruim, de poucas oportunidades reais de gols e um placar que demonstrava bem a decepção das duas torcidas; 0x0 e o alvirrubro já consegue enxergar a Série C batendo na porta.

O sol ainda marcava presença em Caxias quando as duas equipes abriram a 32ª rodada do Brasileiro. Já com 45 pontos conquistados, nem mesmo as quatro derrotas seguidas tiravam a tranquilidade do Juventude. Comandado pelo técnico interino, o time gaúcho ainda nutre um sonho de conquistar o acesso à primeira divisão, algo que fica cada vez mais difícil. Dadas estas circunstâncias, não surpreende a atitude do Náutico já nos primeiros minutos de partida. Até os 15, era o Timbu quem mostrava um esforço maior para verticalizar o jogo e abrir o marcador, porém ninguém dava indícios de que isso iria acontecer rápido.

Apostando nos contra-ataques e, principalmente, na bola levantada na área, os donos da casa eram uma ameaça possível de conter pela defesa alvirrubra. O difícil era manter a posse da bola para criar as jogadas. É preciso destacar que a primeira chance real de gol surgiu já aos 29 minutos, em falta cruzada na área por Wallacer que Aislan desviou, mandando para fora, perto do próprio travessão. Pressionando até os últimos segundos da primeira etapa, o Juventude tinha um maior domínio dos 30 em diante, porém faltava a finalização para derrotar o goleiro Jefferson que era um espectador no jogo.

Jogo segue sem graça e termina sem gols

Depois de um primeiro tempo letárgico, o Timbu recomeçou a partida tentando ameaçar com maior intensidade. E até abriu o placar logo aos 9 minutos, em troca de passes no ataque que Rafinha completou para o fundo das redes. O problema é que o meia estava adiantado e o impedimento foi marcado. Entretanto, não demorou para que o jogo voltasse a ser um show de passes errados, jogadas inofensivas e bastante sonolento para os torcedores presentes. Aos 26, surgiu outra oportunidade para os visitantes, quando Bruno Collaço desviou a bola com a mão na entrada da área e o juiz viu a falta.

Na cobrança, o Náutico escolheu a cobrança forte de Aislan, ao invés de colocar, e viu a bola subir demais, sem muito perigo. Tentando mudar a cara do jogo, Roberto Fernandes abriu mais sua equipe ao colocar o centroavante William em campo, para jogar com Dico e Leílson. Seria um 4-3-3 para os 15 minutos finais de uma partida que ainda estava com o placar zerado. Não é de se estranhar que o duelo ficou mais aberto nos minutos decisivos. Talvez pudesse ser melhor para o Timbu caso tivesse mais passes qualificados no meio para encaixar o contra-golpe. Entretanto, os meio-campistas pecavam demais nos lançamentos, devolvendo a posse de bola aos donos da casa.

Os minutos finais, entretanto, foram de muita pressão alviverde. Apenas se defendendo, os visitantes colocavam para fora as tentativas de cruzamento em sua área, sem conseguir encaixar uma jogada rápida na sobra. Foi o apito final que deixou o Juventude mais longe do sonho de chegar ao G4 e o Náutico ainda mais afundado na tabela. Agora, só um milagre pode salvar o Timbu. Pois, mesmo que vença os seis jogos restantes, ainda pode cair com a pontuação somada.

FICHA DE JOGO

Campeonato Brasileiro da Série B – 32ª rodada

Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul-RS

Juventude: Matheus Cavichioli; Bruno Ribeiro, Micael, Maurício e Bruno Collaço; Mateus Santana, Bruninho, Felipe Lima, Wallacer (Juninho) e Ramon (Yago); Tiago Marques (João Paulo). Técnico: Márcio Angonese.

Náutico: Jefferson; Léo, Breno, Aislan e Henrique Ávila; Amaral, Giovanni (William), Bruno Mota e Diego Miranda (Renan Paulino); Dico e Rafinha (Leílson). Técnico: Roberto Fernandes.

Arbitragem: Emerson de Almeida Ferreira – MG

Assistentes: Celso Luiz da Silva – MG / Marcus Vinicius Gomes – MG

Cartões amarelos: Bruninho e Bruno Collaço (JUV) / Henrique Ávila, Diego Miranda e Dico (CNC)