Senado derruba afastamento de Aécio

Petrobras anuncia novo aumento no preço da gasolina e do diesel
Católicos são contra direito ao aborto e defendem pena de morte, diz pesquisa

Senado derruba afastamento de Aécio

BRASÍLIA — O Senado decidiu nesta terça-feira derrubar a decisão do Supremo Tribunal
Federal (STF) de afastar do mandato o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Deste modo, o
tucano também fica liberado do recolhimento domiciliar noturno. Foram 26 votos a favor e
44 contra manter as medidas cautelares determinadas pelo STF.

Para manter ou derrubar a decisão da Corte, eram necessários 41 votos (maioria absoluta)
a favor ou contra, segundo novo entendimento do parágrafo 2º do artigo 53 da
Constituição.

O presidente do Senado, Eunício de Oliveira, prolongou o tempo de votação para que o
líder do PSDB, Paulo Bauer (SC) – um dos principais articuladores da defesa de Aécio –
pudesse chegar ao plenário para votar a favor do aliado. Bauer foi hospitalizado hoje após
ter um pico de pressãoao sair de uma reunião na casa do presidente do Senado.

Após passar duas semanas internado no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, por uma
diverticulite aguda, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), interrompeu
a lidença médica para votar a favor de Aécio. Na tribuna, Jucá disse que não existe
democracia sem um “mandato inviolável” dos parlamentares.

— Quis Deus que tivesse a saúde, para depois de operado, estivesse aqui para falar como
último orador. O primeiro orador, Jader, registrou o dever que tinha como senador da
República de se posicionar. Temos o direito de fazer isso por privilégio? Não. Temos o
direito de fazer isso pela democracia, pela defesa do mandato inviolável. Sem mandato
inviolável, não há democracia que se sustente. E a democracia é o regime dos direitos —
disse Jucá, ressaltando: — Não estaremos passando a mão na cabeça de ninguém. Só
queremos dizer que o senador Aécio não pode ficar afastado do seu mandato por uma
decisão de três, de uma Turma (do Supremo).

O senador Ronaldo Caiado, que caiu de mula no final de semana, também suspendeu a
licença médica e foi de cadeira de rodas ao Senado. Ele, porém, votou pela mantenção das
medidas contra o tucano.

DENUNCIADO POR CORRUPÇÃO

Em junho, Aécio Neves foi denunciado por corrupção passiva e obstrução de Justiça,
revelados pela delação dos donos e executivos da JBS. O senador tucano foi gravado pelo
empresário Joesley Batista, dono da JBS, pedindo R$ 2 milhões, alegando que seria usado
em sua defesa na Lava-Jato.

Dias depois, a Polícia Federal flagrou
Frederico Pacheco, primo do senador,
recebendo R$ 500 mil de um dos executivos
da empresa. Frederico chegou a ser preso,
junto com a irmã de Aécio, Andrea Neves, na
Operação Patmos.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, o
pagamento foi feito em espécie, em quatro
parcelas de R$ 500 mil cada, entre 5 de abril e
3 de maio, por meio de Frederico e Mendherson Souza Lima, assessor parlamentar do
senador Zezé Perrella (PMDB-MG)

De acordo com a denúncia, Aécio também tentou atrapalhar as investigações da Operação
Lava-Jato, na medida em que empreendeu esforços para interferir na distribuição dos
inquéritos da investigação no Departamento de Policia Federal, pressionou para a
substituição de Osmar Serraglio por Torquato Jardim no Ministério da Justiça e articulou
a anistia do crime de caixa dois, que acabou não sendo aprovado, e a aprovação de projeto
que trata do abuso de autoridade, como forma de constranger Judiciário e Ministério
Público.