PM do RJ emite nota de repúdio após declarações do comentarista Neto,

Jovem é assassinado quatro horas depois de sair de presídio, no Recife
Rio: 300 PMs caçam suspeitos de matar comandante; ‘atentado à democracia

PM do RJ emite nota de repúdio após declarações do comentarista Neto,

O ex-jogador e comentarista esportivo Neto, causou polêmica na última terça-feira (24) ao sair em
defesa de Clayson, do Corinthians, em seu programa “Donos da Bola, na Band. Ele comentou a
detenção do meia corintiano após a partida contra o Botafogo, no Nilton Santos, (23/10). Clayson
foi acusado de agressão a um policial no fim da partida, foi detido para prestar depoimento e
depois liberado para se juntar a delegação corintiana. Os comentários de Neto, no entanto,
ofenderam a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), que emitiu uma nota de repúdio
ao comentarista.

“O Clayson deu um tapinha no polícia, aí o polícia, deu outro tapinha. Aí levaram todo mundo pra
lá. Po**a, vocês dão de AR-15 em uma espanhola e mata e querem fazer uma palhaçada dessas
aí. Isso é vergonhoso para vocês todos. Isso que eu estou falando é verdade. E o cara revidou, né.

Polícia não tem que revidar, tem que apaziguar. Tem que dar segurança. Que segurança vocês
darão pro povo do Rio de Janeiro? Agora fazer uma palhaçada que vocês fizeram ontem com o
menino do Corinthians, com quem quer que seja. Mas e os cara da Rocinha, que sai bala pra
todos os lados? Ah, vai aparecer na casa do chapéu seus otários”, declarou o ex-jogador.

Em nota, a PMERJ fala sobre as declarações de Neto, o “desrespeito inaceitável” cometido pelo
comentarista, e sua “vinculação descabida entre a atuação do GEPE e da força-tarefa que atua na
Rocinha”. A instituição também se refere à Neto como “irresponsável” por citar o exemplo da
turista espanhola morta esta semana.

Confira na íntegra a nota da PMERJ:

Lamentáveis as declarações do ex-jogador e comentarista Neto num programa esportivo da TV
Band de São Paulo, durante um comentário sobre o jogo entre Botafogo e Corinthians, realizado
segunda-feira, 23/10, à noite no estádio Nilton Santos.

Com linguajar chulo, o comentarista criticou, em tom de ofensa, os policiais do Grupamento
Especial de Policiamento em Estádios (GEPE) que foram agredidos por dois atletas da equipe
paulista enquanto faziam a escolta dos árbitros da partida. Agindo como determina o protocolo da
Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, os policiais conduziram os dois jogadores agressores
para o Jecrim (Juizado Especial Criminal).

Os jogadores de futebol, os principais protagonistas do espetáculo, precisam assumir a
responsabilidade de que são exemplos para a sociedade, especialmente para crianças e jovens
em formação. E, pelo que fizeram, devem responder criminalmente na esfera do Jecrim e
disciplinarmente no âmbito da CBF, entidade máxima do futebol brasileiro e responsável pela
organização do maior torneio nacional do mundo.

Quanto ao comentarista Neto, além de tentar justificar – e em última instância estimular – práticas
antidesportivas demonstrou aos seus telespectadores seu parco conhecimento sobre segurança
pública, embora seja, como disse, filho de policial militar.

Ao fazer uma vinculação descabida entre a atuação do GEPE e da força-tarefa que atua na
Rocinha, o comentarista deveria ter o mínimo de respeito aos policiais que, num cenário de alta
tensão e estresse, ocupam há mais de um mês aquela comunidade para pôr fim a uma guerra
entre criminosos rivais armados com fuzis, pistolas e granadas. Foi ainda mais irresponsável ao
citar o exemplo da morte da turista espanhola, ao insinuar que o policial que efetuou o disparo teve
a intenção de matar uma inocente.

Em resumo, o comentarista cometeu um desrespeito inaceitável à Polícia Militar do Estado do Rio
de Janeiro, uma Corporação bicentenária que ostenta uma vitoriosa história, defendendo e
servindo à população do nosso estado. E também ao GEPE, que faz parte dessa história e se
transformou numa referência nacional por seu trabalho em segurança de estádios.

Além de registrar repúdio às declarações proferidas pelo comentarista esportivo da Band, a Polícia
Militar do Estado do Rio de Janeiro tomará as devidas ações legais. A nossa Corporação defende
intransigentemente a liberdade de imprensa e de expressão, mas dentro dos limites do respeito à
dignidade humana e das instituições.