Íbis é líder, está invicto e vira alvo de protesto

Santa Cruz enfrenta Londrina para se distanciar do Z4
Mais Policiais No Cabo, e em Ipojuca.

Íbis é líder, está invicto e vira alvo de protesto

Afamado como “pior time do mundo”, título registrado até mesmo no Livro dos Recordes, o Íbis Sport
Club vive seu melhor momento em quase duas décadas e passa por sentimento semelhante a uma
“crise de identidade”. O time é líder e está invicto na Série A2 do Campeonato Pernambucano, o que
virou motivo de protesto da bem-humorada torcida em Paulista, cidade do litoral norte do Estado.
Inconformados com as duas vitórias em dois jogos até aqui no grupo A da segunda divisão de
Pernambuco, torcedores rubro-negros expressaram toda sua revolta em pichações pela cidade. “Fora
diretoria”, pedia uma delas. Como de costume, o perfil oficial do Íbis no Twitter levou na brincadeira e
divulgou a mensagem na rede social, dando razão à torcida.
“Ontem vencemos a 2ª seguida, somos líderes, invictos e o que a torcida (com razão) faz? #Protesto”,
publicou o time
O bom momento é evidente. Quando venceu o primeiro jogo na Série A2, o Íbis quebrou jejum de dois
anos. E caso vença o Ferroviário do Cabo no próximo domingo (24), igualará a maior série de vitórias
em sua história -foram três seguidas em 1997. O que estaria acontecendo, então, com o clube que
ganhou a alcunha de “pior time do mundo” no início da década de 1980 porque ficou 3 anos e 11 meses
sem vencer uma partida de futebol? O clube não teme perder o posto que conquistou ao custo de tantas
derrotas?
Segundo o presidente do Íbis, Ozir Ramos Junior, 60 anos, o rótulo só fez bem para o clube, mas não
passa de gozação. Ele acredita ter reunido um bom grupo para a competição e sonha com o acesso à
primeira divisão estadual.
“Essa brincadeira de pior time do mundo só nos trouxe coisa boa, deixa o Íbis vivo, em evidência, mas
foi na década de 1980. Naquela época fomos o pior de Pernambuco, mas hoje não somos, é só
marketing, só trouxe benefício, por isso a gente não liga, mas não levamos isso para dentro de campo, a
gente entra para vencer. Esse grupo está muito focado, unido, encarou a responsabilidade. Ano que vem
fazemos 80 anos e queremos chegar na primeira divisão”, contou Junior ao UOL Esporte.
“Esse ano trouxemos o professor Ricardo [de Souza], que era da várzea, para o profissional. Ele
encarou com muita seriedade e dedicação, conseguiu reunir um grupo forte, jogadores experientes,
Bebeto, Thiago Santos, jogadores com carreira no futebol de Pernambuco. Esse pessoal agarrou esse
projeto com unhas e dentes e prometeu que iria botar o time na primeira divisão”, acrescentou o
presidente do íbis, que até hoje é administrado pela família Ramos.
BRINCADEIRAS À PARTE
Apesar de todo o marketing que a alcunha de “pior time do mundo” proporcionou ao clube, o Íbis convive
com sérias dificuldades financeiras. Não há um patrocinador para o time, que também por isso não tem
folha de pagamento, apenas “ajudas de custo”.
“O Íbis hoje não tem patrocínio de ninguém, ninguém. Um time conhecido no mundo inteiro, todo dia tem
mídia, fácil de vender imagem E não precisa de muita coisa não… Juntando dois, três, quatro
empresários, a gente faz um trabalho bom”, diz Junior.
“Nossa folha é uma ajuda de custo. Aqueles que necessitam mais, a gente dá mais, não tem um valor
exato, R$ 50 mil, R$ 70 mil. Não, não, não, muito longe disso, a gente dá uma ajuda de custo. A gente
não deixa acabar porque corre nas veias. O clube foi fundado por meu avô, vamos levando enquanto eu
tiver forças. Mas a gente tem dificuldade até pra inscrever atleta, que custa 550 reais. Para gente é caro,
não e fácil. Tem equipes [na Série A2] com muito mais condições, só sobe um para primeira divisão, mas
vamos tentar”, completa o presidente do Íbis, pássaro da mitologia egípcia que estampa o escudo do
clube.