Aécio diz Não retorno com rancor nem com ódio

Multas de trânsito podem ser pagas no cartão e até parceladas no crédito
PPS negocia lançar nomes de ‘start-up’ e fala com Huck

Aécio diz Não retorno com rancor nem com ódio

No primeiro dia após retornar ao exercício do mandato, o senador Aécio Neves (PSDB-MG)
afirmou nesta quarta-feira (18) que usará o cargo para provar sua inocência e disse ter sido vítima
de uma “armação” feita pelos delatores da JBS.

“No exercício desse mandato irei trabalhar a cada dia e a cada instante para provar a minha
inocência”, afirmou Aécio.

O Senado decidiu ontem, por 44 votos a 26, revogar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal)
que tinha afastado o senador de seu mandato em setembro.

“Sou vítima de uma ardilosa armação, perpetrada por inescrupulosos empresários que
enriqueceram às custas do dinheiro público, e não tiveram qualquer constrangimento em acusar
pessoas de bem, na busca dos benefícios de uma inaceitável delação, ora suspensa em razão de
parte da verdade estar vindo à tona”, afirmou o senador sobre os empresários da JBS.

“Fui sim alvo dos mais vis e graves ataques nos últimos dias, mas não retorno a essa Casa [o
Senado] com rancor ou ódio. Venho acompanhado da serenidade dos homens de bem”, disse
Aécio.

O pronunciamento do senador no plenário durou cerca de cinco minutos.

Aécio também atacou a gestão do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que foi
responsável por negociar a delação da JBS e pela apresentação da denúncia contra o senador.
“Mas o que é mais grave, corroboraram, contribuíram para essa trama ardilosa homens de Estado,
notadamente alguns que tinham assento até muito pouco tempo, na Procuradoria-Geral da
República”, disse.

“Novos depoimentos, delações, gravações que haviam sido omitidas, vão dando contorno claro às
razões que levaram àquela construção, repito, criminosa, da qual fui vítima”, afirmou o senador
tucano.

Aécio foi cumprimentado por aliados ao chegar no Senado. Depois do breve discurso, o senador
permaneceu no plenário, conversou com senadores e falou ao telefone.

Durante o pronunciamento de Aécio, que falou de um microfone no centro do plenário, nenhum
colega se posicionou ao seu lado.