Projeto prevê enterro de pet em cemitério público do Recife

Mulher morre após ser feita refém em assalto em Abreu e Lima
Gabigol será negociado pelo Benfica em janeiro, diz jornal português

Projeto prevê enterro de pet em cemitério público do Recife

Uma proposta para disponibilizar os únicos cinco cemitérios públicos da Cidade para o enterro de cães e gatos domésticos tramita na Câmara Municipal do Recife. A justificativa do autor do projeto de lei, o vereador Romero Albuquerque (PP), é que os poucos serviços funerários voltados para os bichanos cobram taxas altas, tornando-os financeiramente inviáveis para os donos dos pets. Pioneiro em Pernambuco, o único espaço destinado ao enterro de animais domésticos é o Cemitério Bosque da Saudade, que pertence ao Kennel Club de Pernambuco, em Jardim Paulista, no Grande Recife. Os demais serviços se limitam à cremação – cujo preço do mercado varia entre R$ 300 e R$ 360.

Na Capital pernambucana, os cemitérios públicos são o de Casa Amarela, Parque das Flores, Santo Amaro, Tejipió e Várzea, todos administrados pela Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb). De acordo com o órgão, são realizados, em média, 50 sepultamentos por mês nesses locais, sendo 30 deles só no de Santo Amaro. Embora ainda esteja em discussão na Casa, a proposta já causa polêmica. Alguns reagiram contra, enquanto outros avaliam a iniciativa como positiva.

Defensora da Causa Animal há cinco anos, Danielle Costa, 34, foi uma das que concordaram com o projeto de lei. “Vejo a proposta com boas intenções, porque nem todos têm dinheiro para cremar ou enterrar. Eu mesma sou uma dessas pessoas. Eu enterro em terrenos baldios, como a maioria das pessoas”, acredita. Há também quem não veja dessa forma. “É um sufoco danado enterrar gente, quanto mais animal? Não que eles não sejam dignos de receber o mesmo tratamento, são seres vivos. Mas, se não tivéssemos uma estrutura tão precária nos cemitérios públicos, a história seria outra. Dava para pensar nessa possibilidade de incluir cão e gato também”, pondera a dona de casa Valéria Rocha, 50 anos.

De acordo com o texto do projeto, caberia à Emlurb regulamentar e definir as regras para o sepultamento dos animais. Hoje, compete ao órgão a administração, manutenção, limpeza, varrição e outros serviços nas áreas comuns, sendo de responsabilidade das famílias a manutenção e limpeza dos túmulos e jazigos. A Emlurb também faz controle e acompanha diariamente as reservas de áreas disponíveis para sepultamento, venda de ossuários e jazigos pertencentes à Prefeitura do Recife. Atualmente, há disponibilidade para aquisição de ossuários no Cemitério de Santo Amaro e de jazigos no Cemitério do Parque das Flores. Sobre a proposta do vereador Romero Albuquerque, a autarquia afirmou que “não irá se pronunciar sobre o assunto enquanto não houver um debate mais aprofundado sobre a iniciativa do projeto de lei”, concluiu, em nota.