Família de Tim Maia e gravadora processam o Corinthians

Sport dá acesso grátis para sócios no jogo contra o Botafogo
“A religião não foi muito legal comigo”, diz Marília Mendonça

Família de Tim Maia e gravadora processam o Corinthians

A gravadora Warner Chappell e a família de Tim Maia entraram com ação conjunta contra o
Corinthians. No processo, o clube é acusado de usar versão da música “Não Quero Dinheiro, Eu
Só Quero Amar” para fins comerciais.

Sucesso na voz de Tim Maia (1942-1998), a música ganhou nova versão pela torcida do
Corinthians. Detentores dos direitos da canção, a gravadora e o espólio de Tim Maia pedem R$ 4
milhões de indenização por danos morais e patrimoniais.

A gravadora e a família do cantor acusam o Corinthians de “produzir campanha publicitária
utilizando-se, sem autorização, da obra musical, e, ainda mais grave, com alteração de sua letra”.

Na ação feita no Tribunal de Justiça de São Paulo, os autores dizem que acionaram o clube
extrajudicialmente, pedindo a imediata interrupção de qualquer atividade que tenha a música de
Tim Maia.

“O Réu [Corinthians] utilizou-se da obra musical ‘Não Quero Dinheiro, Eu Só Quero Amar’, sem a
imprescindível autorização dos Autores, com veiculação em seu site e na televisão aberta (no
vídeo há o símbolo da TV Globo) tanto do vídeo publicitário como das camisetas utilizadas por
seus jogadores, com o trecho alterado da letra da obra artística, lucrando direta e indiretamente
com a contrafação cometida”, diz trecho do processo.

Procurado pela reportagem, o departamento jurídico do Corinthians disse não ter sido notificado
sobre o processo.