Estelionatário cabense foi preso por aplicar golpe na RMR

Náutico e Itabaiana empatam sem gols na seletiva da Copa do Nordeste
Petrobras eleva em 1% preço do diesel e 1,4% o da gasolina

Estelionatário cabense foi preso por aplicar golpe na RMR

Um estelionatário foragido da Penitenciária Agro Industrial São João (PAI) foi preso nessa terça-feira (9) em Boa Viagem. De acordo com a delegada Beatriz Leite, titular da Delegacia do bairro, a prisão foi resultado de uma operação da Polícia Civil, que monitorava o suspeito há um ano. Daniel Villar de Oliveira, 39 anos, aplicava golpes por toda a Região Metropolitana do Recife há 10 anos e transitava principalmente pela Zona Sul.

A Polícia Civil segui Daniel enquanto ele se encaminhava para o Cabo de Santo Agostinho para aplicar mais um golpe. Os policiais seguiram o carro e fizeram a abordagem do suspeito. Daniel – que tem cinco mandados de prisão expedidos contra ele, sendo um em aberto – ainda tentou oferecer R$ 10 mil reais aos policiais. Ele foi trazido para a Delegacia de Boa Viagem e autuado em flagrante pelo crime de corrupção ativa, por ter oferecido propina, além dos mandados de prisão.

Daniel Villar diversificava os golpes que aplicava

O estelionatário agia de diversas formas. Uma delas era fingir que era comprador de celular, fazendo com que as vítimas entregassem para ele aparelhos formatados e sem senha, os quais ele nunca pagava. Outro golpe aplicado por Daniel era fazer se passar por pastor evangélico e induzir as vítimas a realizarem doações em dinheiro para instituições de caridade que não existiam.

Daniel também enganou um motorista de Uber, se passando por funcionário da prefeitura. Ele confeccionou uma identificação falsa do órgão para isso. O estelionatário fingiu que conseguiu um trabalho para o motorista na prefeitura e, por isso, pediu uma quantidade de dinheiro ao homem. A polícia informou que Daniel aplicava golpes usando o próprio nome de batismo, mas recentemente ele começou a usar um nome falso: também Daniel, mas com sobrenome diferente. Os investigadores vão analisar os documentos falsos usados pelo estelionatário. O suspeito aguarda audiência de custódia.