Crise passa longe do Cabo: ICMS cresceu 18,77% de janeiro a outubro

Obra da Compesa deixa sem água 15 bairros de Jaboatão dos Guararapes
Fortaleza anuncia contratação de Ceni por um ano; técnico assume em 2018

Crise passa longe do Cabo: ICMS cresceu 18,77% de janeiro a outubro

A grave crise econômica que afeta os municípios, os estados e a população brasileira em geral está passando longe da Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho, um dos mais ricos de Pernambuco. Ao contrário do que alardeou o prefeito Lula Cabral no início da gestão, este ano, decretando estado de calamidade pública em várias secretarias, a situação do Cabo é bastante confortável, quando comparada a outras cidades que não têm nem recursos para honrar a folha de pessoal.

Enquanto só se fala em crise e na falta de recursos no município, sobretudo para atender as necessidades básicas das pessoas carentes, dados do Portal da Transparência de Pernambuco indicam que o Cabo de Santo Agostinho, de janeiro a outubro deste ano, arrecadou nada menos do que 18,77% a mais em ICMS. Se for levada em conta a inflação prevista para 2017 no Brasil, estimada em pouco mais de 3%, constata-se que o aumento dos repasses  do ICMS para o município é motivo de festa. Resumindo: o Cabo tem muito a comemorar, e a população muito a cobrar da prefeitura, que tem obrigação de cuidar bem dos cidadãos.

Um levantamento exclusivo feito pelo BLOG DO FAROLEIRO mostra que, de janeiro até outubro, o Estado repassou R$ 229,4 milhões do ICMS (valor bruto, incluindo a cota-parte do Fundo Educacional FUNDEB) para o Cabo. Em 2016, nesse mesmo período, esse valor foi de R$ 193,2 milhões. Ou seja, a Prefeitura já arrecadou A MAIS  este ano nada menos do que R$ 36,2 milhões.

Sem incluir os recursos do FUNDEB, de janeiro a outubro deste ano, o município recebeu nada menos do que R$ 183,5 milhões. Já no ano passado, neste mesmo período, a Prefeitura recebeu R$ 154,5 milhões. A atual gestão, lamentavelmente, não tem dado publicidade a esses números para evitar mais cobranças da população, que não disponibiliza dos bons serviços que uma prefeitura tão rica tem obrigação constitucional de oferecer.

A perspectiva é que essa tendência de aumento nos repasses de ICMS do Estado para o município aumente agora em novembro e dezembro, reforçando ainda mais o caixa da Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho. Esperamos que, de posse desses dados tão  relevantes, numa época de grave crise econômica, os vereadores  (pelo menos os de Oposição ao prefeito Lula Cabral) possam agir mais, cobrar mais investimentos nas áreas prioritárias para os mais carentes.

 

Por Carlos Sinésio