Alerj decide revogar prisão de Picciani e outros dois deputados

Pernambuco registra aumento de homicídios em outubro
Recife é o 2° destino mais desejado para viagens no verão 2018

Alerj decide revogar prisão de Picciani e outros dois deputados

Em votação aberta, durante sessão extraordinária nesta sexta-feira (17), os deputados do Rio
decidiram revogar, por 39 votos contra 19, a prisão do presidente da Casa, Jorge Picciani, e dos
deputados Paulo Melo e Albertassi, todos do PMDB do Rio de Janeiro, presos no âmbito da
Operação Cadeia Velha

Os parlamentares foram presos nessa quinta-feira (16), por determinação
unânime do Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF2), indiciados na
operação, um desdobramento da Lava Jato, deflagrada nessa terça-feira
(14).

O Ministério Público Federal apontou propina de R$ 58,58 milhões ao
presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) entre 15 de
julho de 2010 e 14 de julho de 2015. Deste montante, o peemedebista
identificado como “Platina” ou “Satélite” teria levado R$ 49,96 milhões a
mando da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do
Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) e R$ 8,62 milhões a mando do exgovernador
do Estado Sérgio Cabral (PMDB).

Jorge Picciani foi levado a depor na Operação Cadeia Velha,
desdobramento da Lava Jato, ainda na terça-feira (14), dia em que o filho
Felipe Picciani foi preso pela Polícia Federal.
O operador financeiro e delator da Lava Jato Álvaro Novis relatou que “os
pagamentos efetuados a mando da Fetranspor para Picciani iniciaram na
década de 90 e perduraram até a véspera da Operação Xepa da Lava Jato,
em 2016.

Com base na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que habilitou o
Congresso a decidir sobre a aplicação das medidas cautelares aplicadas
ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), a Alerj revogou a decisão do Tribunal
Regional Federal da 2ª Região, livrando assim Picciani e os outros dois
parlamentares.

Manifestação

Do lado de fora da Alerj, muita correria e confusão foram registradas. A
polícia chegou lançar bombas de gás, enquanto os manifestantes
ocupavam a Avenida Primeiro de Março. Um carro de som, bandeiras de
partidos de esquerda e de grupos sindicais também foram usados no ato.
Os discursos são feitos por líderes de movimentos e pessoas que se
apresentam como “cidadãos comuns”. Todos pedem pela manutenção da prisão de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB.
Os três passaram a noite confinados na Cadeia Pública José Frederico
Marques, em Benfica, na zona norte do Rio