“A religião não foi muito legal comigo”, diz Marília Mendonça

Família de Tim Maia e gravadora processam o Corinthians
Betinho comemora liberação de verbas

“A religião não foi muito legal comigo”, diz Marília Mendonça

Marília Mendonça falou de momentos de sua vida no último “Lady Night” deste ano.
Além do “chifre” que revelou ter levado aos 12 anos, a cantora comentou a presença de
mulheres no sertanejo e sua relação com a religião, já que começou a cantar na igreja.

“Na igreja que eu ia todo mundo cantava, as adolescentes tinham um playbackzinho,
sabendo cantar ou não. Hoje não tenho religião, acredito em Deus. A religião não foi
muito legal comigo”, afirma, explicando seus motivos para pensar assim.

“Eu fui obrigada a sair para trabalhar com 15 anos. Quando eu cantava num bar, não
tinha bebida, eu cantava para trabalhar, e a gente não foi bem aceito por isso na igreja,
diziam que eu e minha mãe não seríamos aceitas por Deus de jeito nenhum. As pessoas
param de acreditar em Deus porque um falador diz que Deus não gosta de você do jeito
que é”, critica.

Ela analisa a presença das mulheres no sertanejo. “Acho que demorou porque a gente
não sabia o que dizer para trazer as mulheres para perto e não ser uma boneca em cima
do palco, não ser a bela, recatada e do lar. E isso veio nas letras, a gente conversa com
as mulheres como amigas, não como rivais. Quando eu vi o machismo, comecei a
compor músicas com o que queria que os homens dissessem para mim. O verdadeiro
feminismo é feito de atitudes”, disse Marília a Tatá Werneck.