A coligação de Paulo Câmara para as eleições

Tribunal suspende prazos e altera expediente durante julgamento de Lula
Seguro-desemprego tem aumento e parcela mais alta chega a R$ 1.677

A coligação de Paulo Câmara para as eleições

O governador Paulo Câmara, apesar de neófito na política, vem conseguindo alinhavar apoios importantes para a sua reeleição em outubro, ontem com a confirmação de Sebastião Oliveira no comando estadual do PR, ao que parece o risco de troca de comando da sigla se dissipou após uma conversa do governador com Waldemar Costa Neto, presidente nacional da sigla, que garantiu o partido na Frente Popular.

Além do PR, o governador arrumou a casa garantindo as amarrações do PDT de Zé Queiroz e do PP de Eduardo da Fonte, que são partidos importantes para o tempo de televisão, e há negociações avançadas do sentido de o PT que tem a maior bancada da Câmara dos Deputados integre já no primeiro turno a coligação do governador, portanto a Frente Popular estaria formada por PSB, PT, PSD, PR, PP, PDT e PCdoB, evidente que existem outros partidos que devem marchar com o governador, porém para efeito de guia eleitoral só precisa de seis partidos, e estes partidos citados garantem pelo menos um tempo igualitário com a oposição.

A manutenção destes partidos garante a Paulo Câmara uma grande competitividade, uma vez que ele possui além da estrutura do Palácio do Campo das Princesas, que não deve ser desprezada em hipótese alguma, contará com o exército de comissionados da prefeitura do Recife que sabem da necessidade da reeleição do governador para a viabilidade do sucessor de Geraldo Julio daqui a dois anos, e uma eventual derrota obrigaria a PCR ter que tirar muita gente para abrigar quem está no guarda-chuva do estado.

O governador com estas ações de bastidor e com as ações do governo evidencia que está com a faca nos dentes para continuar no cargo em 1 de janeiro de 2019, pois tem plena consciência da importância da sua vitória em outubro. Mesmo longe de ser um Eduardo Campos em termos de articulação política, Paulo demonstrou claramente que de besta não tem nada e está se preparando com as armas que tem para a guerra de outubro.

Fonte: Blog Edmar Lyra